Todos os Pianos do Mundo

Pianístico 2021 terá 12 espetáculos em cinco dias

Festival chega à 4ª edição, ampliando atrações
presenciais, além da programação educativa

“O Tom que nos Une.” Inspirada por esse preceito, está chegando a 4ª edição do festival que se propõe a transformar Joinville na capital do piano. O Pianístico 2021 está programado para 15 a 19 de setembro – um dia a mais que na edição de 2020, quando ocorreu excepcionalmente em dezembro, e apenas on-line. Se a transmissão pela internet permitiu que o festival rompesse fronteiras, alcançando público internacional, a expectativa dos organizadores era enorme para a retomada da presença de plateia. Com a liberação gradual das restrições impostas pela pandemia, espera-se que o evento possa prever uma faixa de 30% a 50% da capacidade dos locais de realização (veja abaixo), que serão palco de 12 espetáculos, além dos cursos e workshops confirmados. Também será mantida a exibição on-line, via YouTube, e o formato drive-in, no estacionamento aberto do Shopping Mueller.

Grandes nomes do piano brasileiro e mundial integram a programação que, neste ano, será aberta pelo consagrado grupo PianOrquestra. Criado em 2013, é formado por quatro pianistas, um percussionista e um piano preparado – instrumento em que peças como moedas e parafusos são colocadas entre as cordas para produzir diferentes efeitos sonoros. O grupo explora técnicas de preparação, expansão do piano e processamento eletrônico, em apresentações alegres, lúdicas e belas. Destaque, também, para o piano tangueiro de Nicolás Guershberg, que presta homenagem ao centenário de Astor Piazzolla, e uma segunda homenagem, ao grande Luiz Eça, com o Diogo Monzo Trio.

Outro pianista que virá a Joinville é o russo Evgeni Mikhailov. Um dos mais originais pianistas russos, sua intensa atividade em concertos iniciou-se em 1995. Atuou nas mais prestigiosas salas de concerto de Moscou, São Petersburgo e outras cidades russas, como também nos Estados Unidos, México, Argentina, Chile, Turquia, Coreia do Sul, entre outros países. Tem atuado em programas solos e acompanhado de famosas orquestras. Em 2018, realizou turnê pelo Japão. Já a australiana Primavera Shima, que faz um dos concertos programados, coleciona prêmios e se apresentou nos mais prestigiados teatros e salas de concerto. Mais uma presença internacional é a do norte-americano Cliff Korman, pianista e pesquisador de jazz, música brasileira e improvisação.

A produtora cultural Albertina Tuma, coordenadora geral do Pianístico, salienta a expectativa por mais uma edição, ainda em meio à pandemia: “Não é tarefa fácil, por toda situação em que enfrentamos, sofrendo medidas restritivas em vários níveis, e ainda mais com relação ao setor cultural, um dos mais afetados por essa nova realidade”. Ela reforça que o evento será realizado de acordo com os protocolos sanitários em vigor, trazendo, mais uma vez, música de qualidade, “em um momento em que todos anseiam por um alento, uma esperança para dias melhores”.

“O Pianístico 2021 repete sua fórmula de sucesso, reunindo as mais diferentes tendências e gêneros musicais, reunindo alguns dos principais pianistas da atualidade”, afirma o produtor cultural Carlos Branco, presidente da Comissão Central Organizadora e diretor artístico. “Teremos uma variada gama de gêneros e países, com destaque para pianistas eruditos, como Evgeni Mikhailov e Primavera Shima, além da brasileira Erika Ribeiro e de pianistas que se dedicam à música popular e ao jazz.”

Nesta edição, a coordenação técnica é do maestro e músico Voldis Sprogis e a pedagógica, da professora e pianista Giane Gomes, e tem como patrono um dos mais reconhecidos músicos da cidade e região, o maestro José Mello. Gaúcho de Rio Grande, José Mello é um joinvilense de coração. Também é cidadão honorário da cidade em que escolheu viver em 1980.  Empresário e engenheiro de formação, é músico desde criança. Pianista e acordeonista, o maestro Mello, com sua banda, sempre foi um incentivador da música e dos profissionais joinvilenses desse segmento.

“Piano nos Estabelecimentos”, workshops e contrapartida social

Presente desde a primeira edição do festival, o “Piano nos Estabelecimentos” tem o desafio de aproximar o Pianístico da comunidade, integrando pianos, pianistas locais e comércio ao cotidiano da cidade. Neste ano, em torno de dez estabelecimentos – restaurantes e lojas – participam da iniciativa.

Na programação pedagógica, os cursos e workshops ocupam papel fundamental, na intenção de aproximar o artista de seu público, compartilhando conhecimento. São cinco workshops, dirigidos à execução e prática musical ao piano, além de um curso focado no ensino e aprendizado do piano. Esses encontros acontecem no auditório da Casa da Cultura e no Teatro Juarez Machado, com acesso virtual e presencial – dentro do regramento sanitário estabelecido.

Na contrapartida social, a coordenadora pedagógica Giane Gomes sublinha a necessidade de “desmistificação” do piano, sobretudo diante público de alunos das escolas municipais que, em tese, tem pouco contato com o instrumento. “É importante combater a ideia de que o piano é um instrumento difícil ou acessível apenas para quem tem condições de pagar aulas e ter o instrumento”, reitera, acrescentando que as várias ações pedagógicas previstas pela cartilha deste ano precisam ser complementadas no trabalho presencial ou virtual das escolas. O projeto deve atingir cerca de 500 crianças entre 8 e 11 anos de até 30 escolas da rede municipal.